Meu Perfil
BRASIL, Nordeste, RECIFE, Mulher, Livros, Arte e cultura, política



Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Jacqueline Torres
 Redenção de Poeta
 Leo Durval
 BOL - E-mail grátis
 UOL - O melhor conteúdo


 
Blog de Jacqueline Torres


 

Diário, página 6 - Diários P&B - Julia Vaz

Nanquim: Julia Vaz

PARA LER POESIA...

A Josiel Galvão

 

Precisamos ler poesia

como se revolvêssemos terra escura

                        para deitar nela as sementes da rosa mais delicada

Amaciar o terreno com mãos puras

e depois,

            sentar serenos em uma pedra

e esperar compassadamente

a leveza da chuva

                        azul de luz e morna de cristais

para orvalhar

                        mansa e fecunda

a profundidade da semente adormecida.

E só os corações abertos podem empreender esse ritual

só os corações com asas podem encerrar

                        esses mistérios que cantam

                                    no poema e no seio da terra.

 

( Jacqueline Torres - 15/01/09 )



Escrito por jacquelinelenin às 16h15
[] []



 

UM CANTO PRA MORTE

 

Não será ameno o meu canto

quando a morte voejar minha cabeça

terei nos olhos riachos, não, rios de pranto

e pela face a marca funda da tristeza.

 

Meus poemas serão amargos e sombrios

não terei cantos leves e suaves, abissais

Não terei nada,

além de uma profunda certeza

que parto,

            que deixo os que amo

─ nada mais.

( Jacqueline Torres )



Escrito por jacquelinelenin às 12h51
[] []



 

                Desconheço a Autoria

O VOO 

( A Wallace Wandayk )

 

Minha alma

            voou, voou

além das nuvens

acima das flores temporais

Só quem voeja

            me acompanha o voo

Pois quem rasteja

            não me alcança mais.

 

( Jacqueline Torres )



Escrito por jacquelinelenin às 02h49
[] []



 Insônia - Mateu Velasco - Mateu Velasco    

Serigrafia: Mateu Velasco

CONSPIRAÇÃO

 

Tenho insônia ─

e a hora tem gosto de soro.

Riso e tristeza

            misturam-se no tacho velho do meu peito

O coração azinhavrado sopra a brasa castanha

            dos meus olhos

Acesos, conspiram contra mim

Vou calculando o passar preguiçoso

            dos minutos

            na nulidade do tempo

Só olhos encovados

            guardarei para a manhã

            desejos proibidos

            e vontades tortas

pra secarem

            durante um dia sonolento.

( Jacqueline Torres )



Escrito por jacquelinelenin às 14h33
[] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]